Mestrado em Museologia 2004/2005
 
 

InfoMusa

Clique no icone para fazer o download gratuito.

BASE DE DADOS MUSEOLÓGICA
Versão Microsoft® Access 2000
Diogo Mateus, Judite Primo, Daniella Rebouças Silva
Manual de Utilização: Cadernos de Sociomuseologianº14


InfoMusa2000
 1,25 MB

Apresentação

 
A presente Base de dados museológica,  tem por objectivo contribuir para uma maior tomada de consciência de que as colecções de um museu devem ser tratadas com diversos cuidados, sem os quais rapidamente essas colecções, que na maior parte das vezes foram recolhidas com muito zelo, empenhamento e participação, correm o risco de se tornarem num conjunto de objectos, dispersos, sem memória (memórias) , deteriorando-se ao ritmo dos anos que passam.

Esses cuidados têm a ver por um lado com a conservação, que é complexa devido a muitos factores, como sejam a diversidade dos materiais que compõem os objectos, a sua própria fragilidade, as condições de arrumação e de climatização tão difíceis de criar nos pequenos museus, pois envolvem conhecimentos e recursos difíceis de obter.

Por outro lado a inventariação de uma colecção é uma tarefa que exige continuidade e uniformidade de critérios. Neste campo a informatização de uma colecção pode ser um meio de registar um conjunto de informações sobre os objectos de uma colecção de forma eficiente e fácil de manusear.

Acontece porem que os programas informáticos com os quais são criadas as bases de dados orientados para os museus e que existem á venda no mercado especializado, são pensadas para as grandes instituições museológicas, partindo do princípio que estas dispõem de recursos financeiros e humanos .

Estes programas custam centenas e na maior parte das vezes muitos milhares de Euros, para a sua aquisição e implicam depois a formação de pessoal especializado para a sua manipulação e manutenção. Contemplam múltiplas capacidades  e exigem o preenchimento de centenas de informações sobre cada um dos objectos. Na verdade nada temos contra este tipo de programas pois dão na generalidade resposta as necessidade dessas instituições.

Sobre o assunto pode consultar-se a documentação preparada pelo Rede Canadiana de Informação sobre o património CHIN  http://www.chin.gc.ca/  . Aqui se encontra uma avaliação detalhada que resulta do exame cuidadoso de inúmeros programas  para gestão de colecções realizada por  uma vasta equipe de especialistas, mas também a confirmação de que estes programas não estão ao alcance dos recurso dos nossos museus locais.

Por seu lado o ICOM - Conselho Internacional dos Museus- através do Comité Internacional para a Documentação CIDOC, tem vindo a produzir estudos, propostas e orientações particularmente durante a década de 90 neste domínio. Consulte-se a documentação produzida pelo Grupo de trabalho para as colecções Etnográficas, pelo Projecto AFRICOM, ou pelo projecto Internacional para a normalização da documentação e protecção dos objectos culturais em colaboração com o Instituto Getty para a Conservação.

Apesar de todo o esforço desenvolvido, na verdade ainda não foi possível adoptar orientações gerais consensuais, devido à complexidade das questões levantadas e que tivessem dado origem a programas adaptados a nossa realidade museológica composta maioritariamente por pequenos museus.

As diferentes formas de museologia desenvolvidas por todo o país em particular depois do 25 de Abril permitem afirmar que paralelamente aos museus de Estado,  vieram à luz do dia centenas de processos museológicos por iniciativa do movimento associativo cultural e ecológico e do poder autárquico reforçado nas Câmara Municipais e Juntas de Freguesia. 

São dezenas de milhar de pessoas que de formas diferentes e mais ou menos elaboradas ou teorizadas, encontraram na museologia o meio privilegiado de expressão sobre questões de tantos patrimónios - histórico, arquitectónico, linguístico, arqueológico ou antropológico num contexto de valorização e identificação das especificidades e competências locais.

Trata-se sem dúvida de processos museológicos, permanentes ou intermitentes, criativos ou reprodutores de modelos, conservadores ou participantes no desenvolvimento das comunidades que lhes dão vida.

Trata-se de uma museologia no essencial pobre, em recursos financeiros e saberes sofisticados e que tantas vezes também é marcada por ideologias e paradigmas desfasados.

Mas trata-se também, de uma museologia que exprime a cultura do nosso tempo, a cultura das misturas, expressão de uma sociedade em mudança.

Neste contexto julgámos que faria sentido desenvolver um projecto que tivesse como objectivo a criação de um programa informático e que facilmente pudesse  ser implementado nos nossos museus. O projecto InfoMusa deveria responder aos seguintes critérios:

* Ter em consideração as orientações do CIDOC.

* Utilizar os recursos correntes no que respeita a equipamentos informáticos, sistemas operativos, e programas para criação de bases de dados.

* Ser de fácil manuseamento e instalação.

* Ter o menor numero possível  de campos a preencher garantindo no entanto a gestão funcional das colecções.

* Garantir a sua evolução e compatibilidade com outros programas de bases de dados e colocação na Internet.

Neste sentido a InfoMusa reúne 30 campos distribuídos por 8 agrupamentos 

1 - A gestão

Nº de inventário1
dado pelo responsável pela inventariação
Outros números2 para quando se trata de colecções já anteriormente tratadas de forma incompleta
Objectos relacionados3 para quando se justifica associar objectos ou parte de um mesmo objecto
Nome do Objecto4 de preferencia indicado segundo o uso local


2 - Forma de entrada no museu

Modo de aquisição5 :
Compra, Legado, Escavação arqueológica, Oferta e  Outro
Anterior proprietário6 : identificação, morada etc
Data7 de entrada no Museu


3 - Descrição

M aterial8
ou materiais que o compõem.
Identificação por dimensões
Altura9
Largura10
Comprimento11
Diâmetro maior12
Peso13
Imagem14


fotografia ou desenho digitalizado

Localização da imagem previsto para negativos arrumados em folhas normalizadas para este fim

Numero15
Linha16

ou ficheiro informatizado

Nome do ficheiro17
Pasta/Caminho18
Inscrições19
quando existam no objecto
Estado de conservação20 Bom, Razoável, Mau segundo apreciação do responsável pela inventariação

4 - Recipiente ou lugar onde o objecto esta colocado

Localização no museu21
Caixa, Prateleira, Vitrine com indicação do
Número22 
Outra23
no caso de exposição, empréstimo etc..

5 - Documentação

Descrição24
Ref. Bibliograficas25

para melhor descrição e indicação de referencias bibliográficas

6 - Possibilidades de agrupamento
A definir pelo responsável pela inventariação. O InfoMusa apresenta duas possibilidades

Colecção26 segundo a composição do acervo agrupamento temático etc.
Profissão27 em que o objecto era utilizado

7 - Informações sobre o registo

Inventariado por28
Data de registo29

indicação do nome do responsável pela inventariação e data de criação do Registo

8 - Informação complementar

Observações30
para complemento de cada campo

Naturalmente que a InfoMusa se baseou no conhecimento que o Centro de Estudos de Sociomuseologia foi adquirindo ao longo de anos sobre a realidade museológica nacional e por isso mesmo temos consciência de que o programa agora divulgado apenas pretende dar uma solução aos problemas maiores da informatização das colecções de museus sem que isso bloqueie a migração para programas mais sofisticados, se para tal houver recursos disponíveis e o investimento for justificado

Na verdade não devemos esquecer que um Museu não é apenas uma colecção, um edifício e um público, mas sim um recurso de desenvolvimento bem mais abrangente onde os objectos devem ser sobretudo formas e meios de comunicação ao serviço de ideias.

A informatização não é um fim em si mesmo, mas tão somente uma ajuda ao trabalho do Museu e á definição dos seus planos de actividades. A informatização contribui para a segurança das colecções, apoio à cooperação entre instituições para fomento da investigação e também para a montagem de exposições que utilizem os recursos reunidos nos acervos sobretudo se pensarmos com Michel Thévoz, que:

"Expor é ou deveria ser, trabalhar contra a ignorância, especialmente contra a forma mais refractária da ignorância: a ideia pré - concebida, o preconceito, o estereótipo cultural. Expor é tomar e calcular o risco de desorientar - no sentido etimológico: (perder a orientação), perturbar a harmonia, o evidente, e o consenso, constitutivo do lugar comum ( do banal). No entanto também é certo que uma exposição que procuraria deliberadamente escandalizar traria, por uma perversão inversa o mesmo resultado obscurantista que a luxúria pseudo - cultural. ... entre a demagogia e a provocação, trata-se de encontrar o itinerário subtil da comunicação visual. Apesar de uma via intermédia não ser muito estimulante: como dizia Gaston Bachelard, todos os caminhos levam a Roma menos os caminhos do compromisso."( Michel Thévoz, 1984, p. 167. ) [1]

[1] Thévoz, Michel, Esthétique et/ou anesthésie museographique, Objets Prétextes, Objects Manipulées, Neufchatel, 1984, p. 167.
Menu
Home
Apresentação
Docentes2004/2005
Programas
Textos de apoio
Textos de referência
Calendário
Dissertações
Centro de Estudos
Cadernos de Sociomuseologia
Biblioteca
Revistas on-line
Links
Imagens
Universidade
Arquitectura, Urbanismo e Geografia

ULHT

LuvZone
Base de Dados
Infomusa
Internacional
MINOM Rio
Politica Nacional de Museus Ministério da Cultura Brasil
     
Copyright © 2005 Universidade Lusófona | Contacto | última actualização: 12/5/2005