Mestrado em Museologia 2004/2005
 
 

Programas

Função Social do Museu
Prof. Doutor Mário Moutinho

Urbanismo e património
Prof. Doutor Fernando Varanda

Museologia e Pensamento Contemporâneo
Prof. Doutor Alfredo Margarido

Museologia, Urbanismo e Desenvolvimento Cultural
Profª. Doutora Claudia Fernanda Magalhães

Museografia
Prof Doutor Mário Moutinho


Resumos dos programas de Seminários  (actualizados anualmente)

Museologia e comunicação -

Profª Doutora Cristina Bruno - Universidade de São Paulo

Gestão Museológica  -
Profª. Doutora - Ximena Varela,  Drexel University Filadelfia

Acção Cultural e Educativa dos Museus: processo museológico participativo
Profª Doutora Maria Célia Moura Santos - Universidade Federal da Bahia

Museologia e Memória -
Prof. Doutor Mário  Chagas - Universidade Do Rio de Janeiro

Tendências recentes do património industrial e da arqueologia industrial 
Prof. Dr Jorge Custódio

A exposição em questões: teorias, práticas, cenografia e ambiências
Prof. Doutora Maria de Rosário Saraiva 



Museologia e Património Local -
Prof. Dr. Alfredo Tinoco ULHT

Muséologie Sociale -
Prof Doutor Pierre Mayrand
, Université du Québec à Montréal

Estudos  de  público, valorizando  a  experiência  museal  do  visitante

Profª Doutora  Denise  C.  Studart , presidente CECA-ICOM/Brasil  

História da museologia e novas museologias -
Profª Drª Judite Primo- ULHT

Resumo dos programas das Disciplinas de base


Função Social do Museu

Prof. Doutor Mário Moutinho
Esta disciplina/modulo tem por objectivo principal, situar os alunos no vasto quadro da Museologia contemporânea. Serão tratadas as principais áreas de reflexão e prática da museologia, tendo em consideração a sua relação com as condições de produção dos diferentes discursos museológicos, os contextos sociais em que se desenvolve e os diferentes domínios de intervenção. O alargamento da noção de património, e a consequente redefinição de "objecto museológico", a ideia de participação da comunidade na definição e gestão das práticas museológicas, a museologia como factor de desenvolvimento, as questões de interdisciplinaridade, a utilização das "novas tecnologias" de informação e a museografia como meio autónomo de comunicação, são exemplo das questões decorrentes das práticas museológicas contemporâneas e fazem parte de uma crescente bibliografia especializada à qual esta disciplina dará todo o relevo necessário
Museu e sociedade :
IProcessos inovadores: ecomuseologia, economuseologia, museologia comunitária. Museografias formas e ideias, Relação património /perfis profissionais

Voltar



Urbanismo e património

Prof. Doutor Fernando Varanda
Com esta cadeira pretende-se dar a conhecer as políticas e os programas, com génese na União Europeia e em Portugal, que incidem, directa ou indirectamente, sobre o sector cultural e patrimonial e que os alunos fiquem a conhecer as múltiplas vertentes do conceito de património, assim como a sua evolução. Dar-se-á particular destaque à ligação entre património e desenvolvimento sustentável, nomeadamente ao nível regional e local, e à sua relação com a museologia.
Trata-se de uma matéria básica, fundamental não só para perceber o contexto externo dos museus e restantes instituições de índole cultural, mas também para o seu planeamento e gestão e para tanto é necessário ter em conta a sua envolvente externa/ o seu local de inserção.
Por último e em acréscimo, ao dar conta dos apoios e fontes de co-financiamento existentes, esta cadeira proporcionará, igualmente, um pano de fundo susceptível de facilitar/viabilizar a criação de projectos de desenvolvimento local com uma base cultural

Voltar



Museologia e Pensamento Contemporâneo

Prof. Doutor Alfredo Margarido
Introdução dos "paradigmas" estruturantes do pensamento contemporâneo, que permita um enquadramento do pensamento museológico e patrimonial num nível mais geral de entendimento da realidade.

  • Grandes "autores-livros simbólicos" do Pensamento Contemporâneo
  • Grandes "Modos" (e até grandes "Modas") do Pensamento Contemporâneo (exemplos)
  • Grandes tendências, correntes, ideias, ideologias, teorias, utopias, escolas, temas, problemáticas, racionalidades, sistemas, mundividências, universos, configurações, gestaltes, modelos, epistemas, paradigmas, controvérsias, catástrofes, complexidades, situações, posições, conceitos portadores, questões vivas, propédias, simpósios, enciclopédias, rupturas, revoluções epistemológicas, acontecimentos, instituições...do Pensamento Contemporâneo.
Voltar


Museologia, Urbanismo e Desenvolvimento Cultural

Profª. Doutora Claudia Fernanda Magalhães 
Após uma fase em que as instituições museológicas eram encaradas somente como um local de contemplação e de enriquecimento cultural dos indivíduos, cada vez mais se coloca a tãoica no enorme potencial que encerram enquanto instrumentos de desenvolvimento das regiões e, sobretudo, dos locais.
Que potencial de desenvolvimento os museus promovem, especialmente nas suas novas formatações e âmbitos geográficos (do museu nacional ao museu local)? Como os museus podem assumir e protagonizar um papel desenvolvimentista?
Capacitar para os problemas do desenvolvimento em relação com os contextos socio?económicos locais e regionais;
Proporcionar conhecimentos teóricos e metodológicos para a análise dos diferentes contextos de desenvolvimento nas suas várias dimensões (economia, sociedade, cultura...) e a diferentes escalas (nacional, regional e local);

Voltar


Museografia

Prof. Doutor Mário Moutinho
Duante muito tempo, à museografia correspondia um conjunto de regras, que asseguravam uma exposição "correcta" dos objectos. Foi neste quadro, que a museografia contemporânea tomou forma integrando aperfeiçoamentos e novidades, em todos os seus aspectos.
Ao serviço do objecto ou ao serviço de ideias, devemos reconhecer que a museografia e  as técnicas de exposição em geral  constituem cada vez mais um meio de comunicação autónomo em relação ao museu.
Presente em cada momento, a museografia na sua progressiva complexidade de meios e métodos, é suporte e veiculo de informação para todos os aspectos do quotidiano dentro e  fora do museu.
 
  • Introdução: A exposição como produção de espaço
                Regras das proporções: Áurea, Modulor, Ken, Ordens
                Regras da organização do espaço: eixo simetria, hierarquia, ritmo..
                Regras de limitação do espaço
                Regras do trajecto
  • Conceitos de exposição
  • Exposição/objecto
  • Exposição/processo
  • Exposição Objectos herdado/objecto criado (Formas e meios de comunicação)
Voltar


Resumos dos programas de Seminários
(actualizados anualmente)
 

História da museologia e novas museologias

Profª Drª Judite Primo- ULHT
Abordagem diacrónica da História da Museologia. A filosofia e os valores subjacentes das instituições museológicas inseridas no seu contexto histórico-político. A vocação dos museus no passado: aspectos artísticos, científicos, sociais e culturais.
Pretende-se também com esta cadeira uma teorização, reflexão e problematização das grandes questões contemporâneas da museologia social; as suas condições de planificação e de realização e opções sociais e educativas
A ideia de museu e as suas funções, As percepções de Museu / Património. Conceitos e interdisciplinaridade, Património e políticas patrimoniais. As Declarações de Santiago do Chile, de Quebec e de Caracas
nstituições nacionais e internacionais do foro museológico e/ou patrimonial, Museologia contemporânea: A modernização das instituições museológicas

Voltar



Museologia e comunicação

Profª Doutora Cristina Bruno - Universidade de São Paulo
Este seminário tem o objectivo de abordar os parâmetros teórico-metodológicos da disciplina aplicada Museologia, no âmbito das pedagogias patrimoniais, apoiados pela cadeia operatória de procedimentos de salvaguarda e comunicação
Tópicos básicos para a discussão teórica :
Distanciamento entre princípios museológicos e os limites dos procedimentos museográficos : as rotas pedagógicas para a educação da memória Quadro referencial da disciplina museologia
  • tensões vivenciadas pelas equipes técnicas em função das reciprocidades entre as utopias das propostas e os limites de sua aplicação
  • cadeia operatória de procedimentos técnicos

Voltar



Gestão Museológica

Profª. Doutora Ximena Varela,  Drexel University Filadelfia
 Este seminário teórico/prático procura introduzir os estudantes aos principais temas da Gestão Museológica. Discute as actividades do museu vinculadas à gestão, em particular como estas contribuem para alcançar os seus objectivos. O seminário presta especial atenção às principais fontes de financiamento disponíveis para os museus, e o  impacto que estas têm sobre a Gestão.
Este seminário combina elementos teóricos e práticos para atingir cinco objectivos:
  • Familiarizar os estudantes com os principais elementos da Gestão Museológica.
  • Expor aos estudantes a importância de um adequado planeamento da gestão.
  • Analisar as principais fontes de financiamento privado e publicas disponíveis para os museus.
  • Explorar outros tipos de recursos (voluntários e associações de amigos) que podem apoiar o museu para conseguir atingir os seus objectivos.

Voltar



Acção Cultural e Educativa dos Museus: processo museológico participativo

Profª Doutora Maria Célia Moura Santos - Universidade Federal da Bahia
Discutir e analisar a acção cultural e educativa dos museus, as estratégias e as metodologias utilizadas para sua aplicação, em diferentes contextos.
  • ·Análise e discussão dos conceitos de acção cultural e educativa;
  • ·Conceitos básicos e princípios norteadores da acção museológica participativa;
  • ·Gestão museológica participativa;
  • ·Plano de acção.
  • ·O projecto pedagógico do museu;
  • ·Acção-reflexão: estudos de caso;
Temas para musealização: propostas de projectos

Voltar



Museologia e Memória

Prof. Doutor Mário de Souza Chagas - Universidade Do Rio de Janeiro
Nos anos 60 e 70 do século XX alguns sectores da vanguarda intelectual e cultural do ocidente anunciaram a morte do museu. Esse anúncio, normalmente acompanhado de um discurso generalista e totalizante, colocava em movimento críticas severas ao carácter aristocrático, autoritário, conservador e inibidor dessa instituição de memória, considerada como uma espécie em extinção e por isso mesmo chamada de "dinossauro" e de "elefante branco". Trinta anos depois, o que se verifica é que os museus não apenas não morreram, como se multiplicaram e ganharam destaque na cena cultural e na vida social do mundo contemporâneo. O museu hoje é um fenómeno muito mais complexo do que se imaginava nos anos 60. Para compreendê-lo criticamente não é mais suficiente reduzi-lo ao papel de legitimador dos interesses das classes dominantes, ainda que esse papel continue sendo desenvolvido por muitas instituições. Ao serem assumidos como campo de acção e de discurso, os museus deixaram de interessar apenas aos conservadores da memorábilia das oligarquias. O fato é que ao lado dos museus de grandes narrativas, desejosos de grandes sínteses, constituíram-se museus de narrativas modestas, mas nem por isso menos actuantes e inovadores. Narrativas modestas, mas com potência discursiva e capacidade de promover novas possibilidades de identificação.Sujeito, espaço e bem cultural (sociedade, território e património),   Os novos patrimónios culturais: do biopatrimônio ao património intangível,  Património cultural e memória social: perspectiva diacrónica e perspectiva sincrónica, Memórias e esquecimentos, poder e resistência,  Museus, identificações e identidades culturais

Voltar



Tendências recentes do património industrial e da arqueologia industrial

Prof. Dr Jorge Custódio
 A salvaguarda do património industrial introduz no tecido cultural da humanidade novos valores, com carga histórica, arqueológica, arquitectónico-urbanística, técnica (inovações, máquinas, transmissões mecânicas, mecanização, automação) e sócio-económica (trabalho, produtos, design, consequências sociais/ambientais), outrora desvalorizados do ponto de vista patrimonial, estético-artístico, documental.
As formas e ritmo de desaparecimento dos bens das sociedades e civilização industrial impuseram cuidados na preservação, inventário e "reciclagem" dos desperdícios tecnológicas (nas suas diversas componentes). A necessidade de conhecer a forma do aparecimento e desenvolvimento das sociedades industriais impôs, para além dos estudos histórico económicos e industriais o emergir de novos ramos da arqueologia, nomeadamente a especialidade "arqueologia industrial".
Ambos património industrial e arqueologia foram responsáveis pelo desenvolvimento recente de uma vertente recente da museologia, a que se tem dado o nome de industrial

Voltar



A exposição em questões: teorias, práticas, cenografia e ambiências

Prof. Doutora Maria de Rosário Saraiva
A exposição é um meio físico e social que envolve o visitante.
Este meio é perceptível e explicável.
O visitante está na exposição, está implicado através de todos os seus sentidos e é activo durante o seu percurso.
Durante a visita dá-se um encontro entre as representações sociais e simbólicas veiculadas pela «encenação» (as dos conceptores) e as representações sociais e simbólicas dos visitantes: dá-se assim uma construção de um novo sentido por este último.
A exposição é  um conjunto de dispositivos científico e técnicos para os conceptores, percebido como uma globalidade atmosfera - clima - meio físico e humano pelos visitantes.
A exposição é assim um ambiência situada, na medida em que ela existe num espaço preciso e é percebida durante o tempo duma visita Pôr em paralelo as intenções e acções dos conceptores e a démarche dos visitantes (posição e acção) afim de identificar «ambientes museais» - forma de descrever as ambiências museais, podendo constituir um instrumento de ajuda à concepção e/ou ao estudo das exposições
  • Problemática da concepção: práticas dos conceptores
  • Problemática da percepção: práticas dos visitantes
Voltar


Museologia e Património Local

Prof. Dr. Alfredo Tinoco ULHT
Pretende-se dotar-se o museólogo/investigador de uma bagagem essencial que lhe permita utilizar capazmente os diferentes fundos documentais existentes - locais, regionais e nacionais, - ser capaz de dotar a sua instituição museal do seu próprio fundo documental, assegurar a sua gestão e pô-lo ao serviço de outros interessados e dos utentes do museu A recolha de fontes e a construção da História Oral estão entre as tarefas urgentes que o Museu (e a Escola) podem encetar, de tal modo que se não perca um importante complemento de outros documentos com que trabalha o museu. Escola e Museu são duas instituições que em muitos casos têm vivido de costas voltadas. Todos sabemos hoje que a necessária colaboração entre Museus e Escolas é um poderoso contributo para a formação de todos e ao longo da vida toda. Educadores e Museólogos têm de definir os limites das suas responsabilidades e abrir o vasto campo das actividades que em comum podem realizar para tornar mais eficaz o trabalho das instituições em que se inserem.
  • Museologia e património local,
  • Problemática, fontes e métodos da história local e regional
  • Região, regionalismo, regionalização
  • Museologia e pedagogia

Voltar


Estudos  de  público, valorizando  a  experiência  museal  do  visitante

Profª Doutora  Denise  C.  Studart .
Presidente CECA-ICOM- Brasil
Refletir sobre a experiência museal do visitante e a inter-relação dos diferentes contextos que afetam esta experiência. Familiarizar-se com estudos de público em museus e com o uso de avaliação como um instrumento de planejamento e aprimoramento das atividades e serviços do museu. Tendo em vista a natureza interdisciplinar da Museologia, será adotado uma abordagem multidisciplinar sobre as questões relativas ao estudo da experiência museal.  Nesse contexto, comunicação e educação (num sentido amplo, não-formal) estão intimamente interligadas.  Dentro desta perpectiva, torna-se importante que o museólogo conheça as discussões sobre educação informal,  'que tipo de aprendizado' pode ser esperado numa visita ao museu, teorias e estilos de aprendizado, e a influência destas questões nos aspectos comunicativos e no planejamento de exposições  e  atividades.
Estratégias em museus com  relação à educação e acesso intelectual
  • Pesquisa de Público e  Estudos de Visitantes.  Os primeiros estudos em museus.
  • Barreiras à visitação.  Atingindo diversos grupos sociais.
  • Levando em consideração as opiniões e necessidades do visitante.
Avaliação em museus.  Tipos de avaliação.  Instrumentos de pesquisa

Voltar


Muséologie Sociale

Prof Doutor Pierre Mayrand,
Université du Québec à Montréal
Presidente MINOM-ICOM  1ère PARTIE
  • Question adressée au groupe :  Comment voyez-vous la muséologie, ses fonctions principales, sa mission sociale, votre propre rôle, le rôle des associations professionnelles.
  • Question adressée au groupe :  Pouvez-vous identifier quelques changements significatifs dans les structures, les fonctions du musée, dans les attitudes et attentes du public ?
  • Question adressée au groupe :  Que savez-vous des positions défendues depuis 1970 par des individus, des groupes organisés, des nouvelles institutions à la recherche d'un renouvellement, parfois radical, des rapports entre l'institution muséale et les populations ?
  • Introduction historique aux facteurs de changement et d'évolution, aux nouvelles formes d'organisation :  Points de repère.
  • 2e PARTIE
  • Modifications significatives apportées aux fonctions traditionnelles et aux conventions muséales établies.
  • Éléments de nouvelles théories liées au questionnement de la fonction sociale du musée.
Question adressée au groupe :  Comment ces changements se reflètent-ils dans la vie muséale Portugaise, l'exposition universelle de Lisbonne peut-elle être considérée comme un facteur déterminant de l'évolution ou du changement

Voltar



Menu
Home
Apresentação
Docentes2004/2005
Programas
Textos de apoio
Textos de referência
Calendário
Dissertações
Centro de Estudos
Cadernos de Sociomuseologia
Biblioteca
Revistas on-line
Links
Imagens
Universidade
Arquitectura, Urbanismo e Geografia

ULHT

LuvZone
Base de Dados
Infomusa
Internacional
MINOM Rio
Politica Nacional de Museus Ministério da Cultura Brasil
     
Copyright © 2005 Universidade Lusófona | Contacto | última actualização: 12/5/2005