Mestrado em Museologia 2004/2005
 
 

Apresentação

Director Prof. Doutor Mário C. Moutinho

Vice-Directora: Profª. Judite Santos Primo

Secretariado: Drª Magda Mata


O Curso de Mestrado em Museologia, confere os seguintes diplomas:

Diploma de Especialização em Museologia
Implica a frequência e aproveitamento dos 2 primeiros semestres do curso,
Diploma e Grau de Mestre em Museologia
Quando aprovada a dissertação de Mestrado, nos termos definidos pelo
regulamento

Destinatários
Licenciados em qualquer área científica, profissionais de Museus e outras instituições culturais, professores, técnicos culturais da administração local e central, investigadores.

Objectivos
Formação de especialistas em museologia - museólogos - com sólida formação técnica, teórica e metodológica, habilitados para coordenar instituições museológicas e ecomuseológicas, integrar equipas interdisciplinares de ordenamento e planeamento do território, no que se refere em particular às questões patrimoniais, e assegurar a investigação e a docência da Museologia.

Saídas Profissionais
Direcção de instituições culturais, e em particular museológicas, (Museólogo/Conservador), profissão liberal/administração local e central na área do planeamento e gestão de recursos culturais, investigação e docência no domínio da Museologia.
 

Documento de Justificação do Curso de Mestrado
Fonte: Dossier apresentado no Ministério da Educação com o pedido de autorização de funcionamento do Mestrado em Museologia (6 de Maio de 1998)

Tem-se assistido nestes últimos anos a uma manifesta preocupação por parte de várias universidades em criar formação de nível superior, nos vários  domínios da museologia, de modo a dar resposta às carências em meios humanos especializados, com os quais se confrontam as instituições vocacionadas para a gestão e valorização dos bens patrimoniais. Neste sentido vão as orientações do ICOM (Conselho Internacional dos Museus) e do ICOMOS (Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios)  

Esta situação à qual urge dar a solução conveniente, resulta em particular do desenvolvimento de iniciativas museológicas, que um pouco por todo o país têm aparecido no âmbito das autarquias e das mais diversas associações e instituições culturais. Trata-se essencialmente de novos museus locais, que pela sua prática e projectos, se têm afirmado como instituições inovadoras com uma forte ligação ao meio onde estão inseridas, partilhando com o poder local responsabilidades crescentes no domínio do planeamento e ordenamento do território, identificação e valorização do património construído, e definição de políticas culturais.

A problemática dos museus locais, que sensibiliza profundamente vários sectores da nossa vida cultural ultrapassa as nossas fronteiras. É disso exemplo a Mesa Redonda de Santiago do Chile reunida sob o auspício da UNESCO, a qual defendia nas suas resoluções que " o museu é uma instituição ao serviço da sociedade da qual é parte integrante e que detém os elementos que lhe permitem participar na formação da consciência das comunidades que serve, situando a sua actividade num quadro histórico que esclarece os problemas actuais".

Ao prepararmos este Curso de Mestrado em Museologia, tivemos sempre em mente duas outras preocupações que estruturam o plano curricular.
Trata-se do posicionamento dos museus no contexto da sociedade portuguesa, enquanto produtores de informação e de serviços, dependendo a sua viabilidade da abertura às técnicas modernas de gestão.
Por outro lado trata-se da necessidade de criar um corpo de investigadores e docentes capazes de desenvolver com bases e métodos científicos a Museologia.       
 A preparação deste Mestrado conta com a experiência já adquirida pelo Departamento de Museologia do ISMAG, agora Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, onde se tem vindo a leccionar com reconhecida qualidade científica e pedagógica os cursos de Pós- graduação em Museologia Social, Conservador/Museólogo e de Museologia e Educação com o apoio permanente de Professores da Universidade Federal da Bahia, Universidade do Rio de Janeiro UNIRIO, Universidade de Campinas, Universidade de São Paulo e Universidade do Quebeque em Montreal..

A pedido do ISMAG o  IPM Instituto Português de  Museus, emitiu o parecer  205/93 de 19 de Maio, onde declara "que para efeitos de concursos e de acesso nas carreiras o curso de Pós-Graduação em Museologia Social deverá ser considerado, confrontando-se com o grau de exigência definido nas aberturas de concursos públicos". 

Deve também ser mencionado que, com o objectivo de estreitar a relação dos Cursos mencionados com a realidade museológica nacional o Departamento de Museologia da ULHT coordena anualmente o Encontro Nacional Museologia e Autarquias (Seminário curricular inserido nos Cursos) o qual já se efectuou, com organização conjunta com as respectivas Câmaras Municipais, em Lisboa, Beja, Portimão, Tondela, Aveiro, Setúbal, Seixal, e estando já agendados para 1998 em Loures, 1999 em Leiria e em 2000 em Santarém.
Este trabalho de formação e de conhecimento do meio museológico português que tem vindo a ser desenvolvido na ULHT ao longo duma dezena de anos, tem tido também expressão na publicação dos Cadernos de Sociomuseologia (10 números já editados) onde colaboram alunos, professores dos cursos e  especialistas convidados. 

Assim foi-nos possível avaliar os conteúdos das várias disciplinas já leccionadas, definir os objectivos de outras a criar, reunir um corpo docente homogéneo e altamente capacitado e confirmar a necessidade de desenvolver a formação nesta área em particular pela criação de um Mestrado em Museologia 
Deve ainda ser posto em evidência que se a relação entre a Museologia e a Arquitectura, a História, e a Sociologia  é correntemente aceite, quer nos meios profissionais quer académicos, por mais forte razão a museologia e a Ecomuseologia, tal como conformam o presente curso, se relacionam com o Urbanismo, o qual se fundamenta  e articula com condicionantes históricas, sociológicas, patrimoniais, ecogeográficas, políticas, económicas e técnicas.

Tanto mais que a museologia agora em questão, se define como um meio de intervenção social e de comunicação ao serviço do desenvolvimento das comunidades que serve, não se limitando às tarefas tradicionais em que tantas vezes  é colocada e reduzem o MUSEU à simples condição de armazém de objectos.

Daí o facto de se ter optado por um conjunto de disciplinas que enquadram a intervenção museológica (História Oral, Etnologia, Sociologia, Planeamento .) num entendimento amplo do conceito de  PATRIMÓNIO, sem descuidar  no entanto as questões de Museografia e de Conservação Preventiva fundamentais igualmente para o FAZER MUSEOLÓGICO. Assim se compreende a ausência de disciplinas de História da Arte, Estética, Heráldica e tantas outras mais adaptadas aos museus que se dedicam à gestão e apresentação de colecções. Alias estes últimos museus, são também em muitos países objecto de profunda reflexão e sujeitos a processos de dolorosa transformação e adaptação ao mundo e Pensamento Contemporâneo. Reconhece-se neste curso a justeza do conteúdo de documentos produzidos no seio do Conselho Internacional dos Museus ICOM/UNESCO, tais como as declarações de Rio de janeiro de 1958, Santiago do Chile de 1972 e de Caracas de 1992, onde claramente se enuncia a necessidade imperiosa de desenvolver a Função Social dos Museus

Neste contexto foi retido o seguinte plano de estudos:

Primeiro Semestre
A Função Social do Museu, Urbanismo e Património, Museologia e Pensamento Contemporâneo  


Segundo Semestre
Urbanismo e Desenvolvimento Cultural , Museografia, 2 disciplinas de opção  


Terceiro Semestre / Quarto Semestre
Seminário de Investigação 


Reforçando esta postura, deve ser perfeitamente esclarecido que o presente curso de Mestrado não pretende pois cobrir a totalidade do saber/fazer museológico, mas antes pelo contrário traduz o reconhecimento da vastidão desse saber pelo que declaradamente se orienta (sem que isso implique uma qualquer exclusividade)  para uma área da  museologia praticada em centenas de processos no âmbito das autarquias, juntas de freguesia, e associações culturais espalhadas por todo o país.

Nestes casos a museologia procura antes de mais ser um recurso estratégico do desenvolvimento e ordenamento  do espaço urbano ou rural, de resgate da memória colectiva e fermento da coesão social e não se preocupa apenas com a corrente e necessária, mas não única missão dos museus, que geralmente se resume à simples gestão e apresentação de colecções.

O plano curricular do Mestrado em Museologia é pois fruto de uma avaliação e entendimento das necessidades da museologia nacional e da experiência adquirida pelo Departamento de Museologia.  Neste contexto o curso de Mestrado em MUSEOLOGIA visa a preparação de especialistas em museologia -museólogos - com sólida formação técnica, teórica e metodológica, habilitados para integrar equipas interdisciplinares de ordenamento e planeamento do território, no que se refere em particular às questões patrimoniais, coordenar instituições museológicas e ecomuseológicas e assegurar a investigação e a docência da MUSEOLOGIA

Lisboa, 6 de Maio de 1998
O Coordenador
Prof. Doutor Mário Canova Moutinho Mestrado em Museologia - Justificação 

 
Menu
Home
Apresentação
Docentes2004/2005
Programas
Textos de apoio
Textos de referência
Calendário
Dissertações
Centro de Estudos
Cadernos de Sociomuseologia
Biblioteca
Revistas on-line
Links
Imagens
Universidade
Arquitectura, Urbanismo e Geografia

ULHT

LuvZone
Base de Dados
Infomusa
Internacional
MINOM Rio
Politica Nacional de Museus Ministério da Cultura Brasil
     
Copyright © 2005 Universidade Lusófona | Contacto | última actualização: 12/5/2005